Paisagens Temáticas

Na quinta edição do observatório, paisagens temáticas apresentadas através de pinceladas individuais e distintas, de novos e menos novos realizadores. Ficções e documentários, reflexões sobre o imaginário urbano contemporâneo, exposições exploratórias do tempo e do espaço que, mesmo sujo e deteriorado, se transforma num deleite para os olhos. Personagens que representam figuras entregues a si mesmas, ainda que partilhando o mundo com outros indivíduos, anónimos e inexpressivos.

O Cinema na Cidade, uma boneca russa, abrimos a cidade e encontramos o cinema que revela no seu interior a cidade. Assim consecutivamente, colocadas uma dentro da outra até à última peça. Distâncias e tempo, escalas e ângulos, luz e sombra, o desabrochar da intensidade dos lugares perante os nossos olhos, o cinema como intermediário da nossa relação sensitiva com o mundo. O mote num passeio pelos néons da Viena crepuscular de Wim Wenders com destino a Burgenland, conduzidos pelo cicerone Joseph Bloch que nos guia pela arquitectura e seus espelhos, pela música que sai das jukeboxes, pela importância dos lugares no e do cinema. (C.C.)

A Angústia do Guarda-Redes no Momento do Penalty

de Wim Wenders

Dia 10-10 15h00 (PA)
Die Angst des Tormanns beim Elfmeter (Alemanha/Áustria, ficção, 1972, 100 min) M/12
Com a presença de Corinna Lawrenz e Carlos Natálio

O guarda-redes Josef Bloch é expulso de um jogo após cometer uma falta. Depois disso, vagueia pela cidade desconhecida, passa a noite com a funcionária de um cinema e estrangula-a na manhã seguinte. Em vez de fugir ou entregar-se à polícia, Bloch refugia-se na casa da ex-namorada, e espera que a polícia venha prendê-lo. Com realização de Wim Wenders ("Paris, Texas", "Asas do Desejo", "Buena Vista Social Club", "Pina"), esta é uma adaptação do romance homónimo de Peter Handke.

Os Miseráveis

de Ladj Ly

Dia 11-10 21h45 (PA)
Les Misérables (França, ficção, 2019, 100 min) M/16
Com a presença de Hugo Gomes

Stéphane, acabado de chegar de Cherbourg, vai integrar a Brigada Anti-Crime (BAC) de Montfermeil, nos arredores de Paris. É aí que conhece os seus novos colegas de equipa, Chris e Gwada, dois agentes experientes. Não tarda a descobrir as tensões entre os diferentes gangues locais. Durante uma detenção, um drone filma todos os seus actos e gestos... "Os Miseráveis" venceu o Prémio do Júri no Festival de Cannes e foi nomeado para o Oscar de Melhor Filme Internacional.

Bacurau

de Juliano Dornelles e Kleber Mendonça Filho

Dia 12-10 21h30 (PA)
(Brasil/França, ficção, 2019, 130 min) M/12
Com a presença de João Araújo

Num futuro próximo, uma médica volta à sua pequena e esquecida terra do sertão brasileiro para o funeral da avó e vê-se obrigada a ajudar a defender a população local de uma perigosa ameaça. É que Bacurau, a aldeia, desapareceu completamente do mapa e foi abandonada por tudo e todos, a começar pelas autoridades, escasseando água, cobertura da rede móvel. Mas a resistência é bastante forte. Um filme de género brasileiro cheio de sangue e gargalhadas, mas também com muita carga política e homenagens ao cinema de nomes como John Carpenter. Recebeu o prémio especial do júri na edição de 2019 do Festival de Cannes e foi realizado a quatro mãos por Juliano Dornelles e Kleber Mendonça Filho ("O Som ao Redor", "Aquarius").

A Última Vez que Vi Macau

de João Pedro Rodrigues e João Rui Guerra da Mata

Dia 14-10 18h30 (PA)
(Portugal/França, ficção, 2012, 85 min) M/12
Com a presença de João Pedro Rodrigues e João Rui Guerra da Mata

Um homem viaja de Lisboa a Macau, uma das mais multiculturais e labirínticas cidades do mundo, a pedido de Candy (Cindy Crash), amiga de longa data, que lhe diz estar a viver coisas estranhas e assustadoras. Ele, que vivera em Macau há muitos anos e ali passara os melhores tempos da sua vida, encara a viagem como um regresso às suas origens e às suas memórias mais felizes. A longa-metragem, que mistura o documentário e o policial, marca a terceira co-realização de João Pedro Rodrigues e João Rui Guerra da Mata (depois de "China China" e de "Alvorada Vermelha"). Escolhido como filme de abertura da edição de 2012 do Doclisboa, ganhou o prémio da secção de documentário do Festival de Cinema de Turim, Itália, e teve uma menção especial do júri do Festival de Locarno.

Os Inúteis

de Federico Fellini

Dia 14-10 21h45 (PA)
I Vitelloni (Itália/França, ficção, 1953, 100 min) M/12
Com a presença de Nuno Sena

Projecção autobiográfica das memórias da juventude de Fellini, em Rimini. Um grupo de rapazes ("os inúteis") que preenche o vazio dos dias de farra em farra, de namorisco em namorisco; no fim, um deles percebe que tem que sair dali, e apanha um comboio para Roma - e essa personagem é o alter ego do realizador. Um dos melhores Fellinis de sempre, porventura o mais agridoce. Sequências notáveis; por exemplo, a festa, perto do final, onde o amanhecer vem anunciar às personagens aquilo que só elas ainda não perceberam: que estão completamente perdidas.

Alis Ubbo

de Paulo Abreu

Dia 15-10 16h00 (AE D. Sancho I)
Sessão para escolas
(Portugal, documentário, 2018, 60 min) M/12
Com a presença de Paulo Abreu

Depois da crise, veio o turismo e a transformação da cidade de Lisboa. Alis Ubbo (“porto seguro”, em fenício), acompanha com ironia os dois últimos anos de mudança da paisagem urbana lisboeta. Um documentário com argumento e realização de Paulo Abreu ("I Don't Belong Here").

A Cidade Branca

de Alain Tanner

Dia 15-10 21h30 (PA)
Dans la Ville Blanche (Portugal, 1983, ficção, 105 min) M/16
Com a presença de Luís Urbano

Paul (Bruno Ganz) é um marinheiro suíço que desembarca em Lisboa, onde decide ficar por algum tempo. Instala-se num quarto, de frente para a zona ribeirinha, e durante dias dedica-se a fazer pequenos filmes da cidade, na sua super-8 mm, que depois envia para a mulher, juntamente com as cartas que lhe vai escrevendo. Até conhecer Rosa (Teresa Madruga), empregada de mesa, com quem vive uma estranha paixão. Em "A Cidade Branca", o realizador Alain Tanner reflecte, mais uma vez, sobre a solidão e a inconstância, num filme em que a luz especial que banha Lisboa é captada de forma inesquecível pela fotografia de Acácio de Almeida. Com esta obra, Alain Tanner foi nomeado, em 1983, para o Urso de Ouro do Festival de Berlim e ganhou, em 1984, o César para o melhor filme estrangeiro.

Sacavém

de Júlio Alves

Dia 16-10 18h30 (PA)
(Portugal, documentário, 2019, 65 min) M/12
Com a presença de Júlio Alves

Pedro Costa dá-nos a possibilidade de percorrer os seus filmes, "Casa de Lava", "Ossos", "No Quarto da Vanda", "Juventude em Marcha" e "Cavalo Dinheiro", através de um conjunto de objetos que se relacionaram com eles. Um caderno, 9 fotografias, uma camara digital, uma cópia de um filme em 35 mm e um elevador. "Sacavém" procura ser uma janela para o cinema de Pedro Costa e entender como ele é sentido e construído.