Blog

últimas notícias

Episódio 1.3

12 e 13 de Maio. A terceira e última réplica do primeiro episódio do Close-up apresenta o monumento SHOAH, peça fundamental da secção Noite e Nevoeiro: 70 Anos de Imagens do Holocausto. Haverá uma introdução ao filme por José Marmeleira, crítico cultural (Público, Ler, Time Out) e doutorando FCT, onde trabalha numa dissertação em torno do pensar que Hannah Arendt consagrou à arte e à cultura.

SHOAH de Claude Lanzmann Opus de nove horas de duração, SHOAH é um dos maiores documentários de todos os tempos. Um filme contra o esquecimento e sobre o impensável: a morte de mais de seis milhões de judeus pelos Nazis. Realizado ao longo de doze anos, apresenta entrevistas em 14 países com sobreviventes, testemunhas e criminosos. Sem recorrer a imagens de arquivo histórico, usa entrevistas que visam “reencarnar” a tragédia judaica, e visita os locais onde os crimes ocorreram. O filme nasceu da preocupação de Lanzmann com o facto de o genocídio perpetrado apenas 40 anos antes começar a ficar escondido nas brumas do tempo, uma atrocidade que começava a ser higienizada pela História. SHOAH foi editado recentemente pela primeira vez em Portugal, na sua versão restaurada.

Atendendo à duração de cerca de 9 horas do filme SHOAH, a projecção dividir-se-á em 4 partes, arrancando na noite de 6.ª feira, dia 12 de Maio e estendendo-se pelo dia 13 de Maio:
parte 1 - 6.ª, 21h30 - 23h30 (inclui introdução)
parte 2 - sábado, 14h30 - 17h00
parte 3 - sábado, 17h15 - 19h45
parte 4 - sábado, 21h30 - 0h00

José Marmeleira é Mestre em Comunicação, Cultura e Tecnologias da Informação (ISCTE), é bolseiro da Fundação Para a Ciência e a Tecnologia (FCT) e doutorando no Programa Doutoral em Filosofia da Ciência, Tecnologia, Arte e Sociedade da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, no âmbito do qual prepara uma dissertação em torno do pensar que Hannah Arendt consagrou à arte e à cultura. Desenvolve, também, a actividade de jornalista e crítico cultural independente em várias publicações (Ípsilon, suplemento do jornal Público, Contemporânea, Ler e Time Out Lisboa)